Brasil

Defesa da mulher que levou tio morto ao banco pede pris√£o domiciliar

AGÊNCIA BRASIL

A defesa de √Črika de Souza Vieira Nunes ingressou com um pedido de habeas corpus, requisitando pris√£o domiciliar para sua cliente, que est√° com a pris√£o preventiva decretada pela Justi√ßa h√° 11 dias. Erika levou o tio, Paulo Roberto Braga, 68 anos, j√° morto, para receber um empr√©stimo, previamente autorizado, em uma ag√™ncia banc√°ria em Bangu, na zona oeste do Rio.¬†

De acordo com advogada Ana Carla Corr√™a, que defende √Črika, sua cliente sofre de depress√£o e n√£o teria percebido que seu tio teria morrido no trajeto para o banco. A defesa tamb√©m entrou nesta sexta-feira (26) com um pedido da revoga√ß√£o da pris√£o preventiva de sua cliente para que ela responda ao processo em liberdade.

O Minist√©rio P√ļblico ainda est√° dentro do prazo legal de 15 dias para se pronunciar sobre o pedido de soltura ou n√£o de √Črika Vieira. Na semana passada, dois advogados, um de S√£o Paulo e outro do Rio de Janeiro, que n√£o est√£o sub-estabelecidos para defender √Črika, entraram com a√ß√Ķes na Justi√ßa e acabaram tumultuando o caso. Como eles n√£o t√™m procura√ß√£o para atuar na a√ß√£o, o presidente da 5a. C√Ęmara Criminal do Tribunal de Justi√ßa, desembargador Cairo Italo Fran√ßa David pediu para que a acusada responda no processo quem √© o respons√°vel por sua defesa.

A ju√≠za natural do caso √© a titular da 2a Vara Criminal do F√≥rum de Bangu, Luciana Mocco Moreira Lima, que vai decidir se √Črika poder√° responder √† Justi√ßa em pris√£o domiciliar

√Črika tem resid√™ncia fixa e morava com quatro filhos, sendo dois menores de 17 e 14 anos. A filha ca√ßula tem retardo no desenvolvimento normal, diagnosticado aos 6 anos de idade. O documento foi anexado pela defesa, com pedido para que a m√£e possa estar perto da filha que necessita de sua presen√ßa f√≠sica.

A advogada Ana Carla Corr√™a esteve hoje (27) pela manh√£ no Complexo de Gericin√≥ visitando √Črika para saber como ela est√° passando e se est√° tomando normalmente os medicamentos de uso cont√≠nuo prescritos por seu m√©dico. Segundo a defesa, a acusada est√° tomando os rem√©dios normalmente, mas apreensiva esperando a decis√£o da Justi√ßa.