Política

Autoridade federal vai atuar no Rio Grande do Sul durante calamidade

Autoridade federal vai atuar no Rio Grande do Sul durante calamidade


AGÊNCIA BRASIL

O presidente Luiz In√°cio Lula da Silva vai indicar um representante do governo federal para atuar de forma permanente no Rio Grande do Sul enquanto durar a calamidade p√ļblica no estado, assolado por enchentes desde o dia 29 de abril. O an√ļncio foi feito pelo ministro-chefe da Casa Civil, Rui Costa, durante entrevista ao canal de not√≠cias GloboNews, e tamb√©m confirmada pela Ag√™ncia Brasil.¬†

A ideia √© que a autoridade coordene uma estrutura administrativa das a√ß√Ķes federais na regi√£o. Os detalhes ser√£o dados durante visita do presidente ao estado, prevista para esta quarta-feira (15), quando ser√£o anunciadas novas medidas de socorro √† popula√ß√£o ga√ļcha. A expectativa √© que seja criado um aux√≠lio financeiro tempor√°rio para as pessoas afetadas pela cat√°strofe clim√°tica. O valor n√£o foi informado.

A Defesa Civil do Rio Grande do Sul confirmou, até esta terça-feira (14), um total de 148 mortes em decorrência das chuvas e enchentes. O estado tem, ainda, 124 pessoas desaparecidas, segundo boletim divulgado às 12h.

O total de desalojados pelas enchentes chega a 538.545 pessoas. E os efeitos dos temporais j√° s√£o sentidos por dois em cada dez moradores do Rio Grande do Sul.

O mais recente boletim aponta que 2.124.203 de pessoas s√£o afetadas pelas chuvas, do total de 10,88 milh√Ķes de habitantes do estado, conforme apurado no Censo Demogr√°fico 2022 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estat√≠stica (IBGE), o que corresponde a 19,47% da popula√ß√£o.

Em todo o estado, 89,7% do total de 497 munic√≠pios sofrem direta ou indiretamente com as consequ√™ncias dos eventos clim√°ticos. O n√ļmero chega a 446 cidades atingidas.

Na manh√£ desta ter√ßa-feira, os mais de 700 abrigos criados no estado acomodavam 76.884 pessoas que tiveram que abandonar seus im√≥veis temporariamente ou em definitivo, devido ao comprometimento das estruturas locais ou falta de acesso. O n√ļmero √© ligeiramente inferior ao n√ļmero de pessoas que estavam em alojamentos nesta segunda-feira (13), conforme o boletim das 18h, divulgado pela Defesa Civil estadual. Naquele momento, eram 77.405 pessoas fora de suas casas.¬†¬†