Economia

Brasil registra seis milh√Ķes de acidentes de trabalho de 2012 a 2022

AGÊNCIA BRASIL

O Dia Nacional em Mem√≥ria √†s V√≠timas de Acidentes e Doen√ßas do Trabalho √© lembrado neste domingo (28). Por este motivo, o m√™s de abril √© lembrado como Abril Verde, em uma campanha do Minist√©rio P√ļblico do Trabalho (MPT), com o lema Adoecimento tamb√©m √© acidente do trabalho ‚Äď conhecer para prevenir.

A coordenadora nacional do MPT para Sa√ļde dos Trabalhadores, Cirlene Zimmermann, explica que a iniciativa pretende explicar √† sociedade a import√Ęncia de comunicar o acidente do trabalho √† Previd√™ncia Social:

“Em termos previdenci√°rios, trabalhistas e fiscais, tanto as doen√ßas relacionadas ao trabalho quanto os acidentes t√≠picos, traum√°ticos, eles s√£o considerados acidentes do trabalho”

A coordenadora destaca que as doen√ßas de trabalho mais comuns s√£o as les√Ķes √≥sseos musculares e les√£o por esfor√ßo repetitivo, como tendinites e bursites.

Cirlene lembra ainda dos transtornos mentais relacionados ao trabalho. “N√≥s temos depress√Ķes, ansiedades relacionadas ao trabalho. N√≥s temos situa√ß√Ķes de estresses p√≥s traum√°tico. Por exemplo, um trabalhador pode ser esmagado por uma m√°quina, pode ser atropelado no ambiente de trabalho. E os colegas que est√£o naquele ambiente, visualizando aquela cena, muitas vezes ficam expostos tamb√©m aos impactos psicol√≥gicos desta situa√ß√£o. Isso muitas vezes causa o estresse p√≥s traum√°tico e pode vir a se tornar uma doen√ßa com afastamento de outros trabalhadores.”

Outros fatores, como assédios moral, sexual e eleitoral, além de jornadas diárias exaustivas, podem levar à doença mental. Mas é comum que o próprio empregado resista a admitir o problema, por preconceito social ou constrangimento.

Ouça na Radioagência Nacional

Por outro lado, as empresas quase não notificam o INSS sobre as doenças mentais relacionadas ao trabalho, segundo a coordenadora do MPT. 

“Tem alguns setores espec√≠ficos que foram estudados como, por exemplo, o setor de frigor√≠ficos. Em um per√≠odo de cinco anos foram concedidos cerca de 3,2 mil benef√≠cios pelo INSS para trabalhadores reconhecidamente v√≠timas de adoecimento mental relacionado ao trabalho. No entanto, em apenas dois casos as empresas reconheceram que aquele adoecimento teve rela√ß√£o com o trabalho.”

Quando o acidente de trabalho não é comunicado ao INSS, o empregado fica sem auxílio-doença, e a sociedade é prejudicada.

“As pol√≠ticas p√ļblicas de sa√ļde do trabalhador somente conseguem ser definidas e implementadas a partir de dados. Se a notifica√ß√£o das doen√ßas e dos acidentes n√£o acontece, esses dados s√£o prec√°rios e as pol√≠ticas p√ļblicas ou n√£o s√£o implementadas ou s√£o implementadas de forma ineficiente.”

Para promover a sa√ļde no ambiente de trabalho, a empresa precisa ouvir os empregados e atuar. N√£o apenas para proteg√™-los dos riscos.

“Muitas vezes as empresas priorizam o simples fornecimento de um EPI, de um equipamento de prote√ß√£o individual. Por exemplo: para um risco de ru√≠do, uma m√°quina que faz um grande ru√≠do, e se fornece um protetor auricular. No entanto, a prioridade sempre deve ser por medidas que eliminem ou neutralizem ao m√°ximo aquele risco. No caso espec√≠fico da m√°quina, o enclausuramento da m√°quina poderia reduzir o ru√≠do para n√≠veis toler√°veis.”

Segundo o INSS, de 2012 a 2022 foram comunicados mais de 6 milh√Ķes de acidentes de trabalho, resultando em mais de 2 milh√Ķes de afastamentos e 25 mil mortes.

No mesmo per√≠odo, os gastos com aux√≠lios-doen√ßa, aposentadorias por invalidez, pens√Ķes por morte e aux√≠lios acidente de trabalho chegaram a R$ 136 bilh√Ķes.

*Com reportagem de Oussama El Ghouri