Brasil

Caminhos da Reportagem discute tecnologias inovadoras para uso do lixo

Caminhos da Reportagem discute tecnologias inovadoras para uso do lixo


AGÊNCIA BRASIL

Edi√ß√£o in√©dita do programa Caminhos da Reportagem¬†destaca, neste domingo (26), iniciativas de neg√≥cios que usam o lixo como mat√©ria-prima e fonte de renda. √†s 22h, na TV Brasil. O Valor do Lixo √© o tema da produ√ß√£o jornal√≠stica. O conte√ļdo pode ser visto no App TV Brasil Play.

A mat√©ria especial apresentada pelo canal p√ļblico revela diversas tecnologias inovadoras. Uma delas, desenvolvida pela Universidade de Bras√≠lia (UnB), permite a reciclagem de bitucas de cigarro, transformando-as em celulose e, consequentemente, em papel. Outra t√©cnica mostrada pelo programa converte isopor em uma massa model√°vel para consertos em metais e em madeiras.

O Caminhos da Reportagem ainda trata de assuntos relevantes como compostagem, res√≠duos org√Ęnicos e reaproveitamento. Tamb√©m discute o conceito de economia circular e explica a destina√ß√£o correta do lixo eletroeletr√īnico por meio da reciclagem.

A produ√ß√£o ainda sinaliza que o pa√≠s recicla apenas 4% de todos os res√≠duos s√≥lidos que gera anualmente. Em 2022, o Brasil produziu cerca de 82 milh√Ķes de toneladas de lixo, o que corresponde a 224 mil toneladas por dia. Isso significa que cada cidad√£o produziu, em m√©dia, pouco mais de 1 quilo de res√≠duos por dia. Os dados s√£o do Panorama dos Res√≠duos S√≥lidos no Brasil 2022, publica√ß√£o da Associa√ß√£o Brasileira de Empresas de Limpeza P√ļblica e Res√≠duos Especiais (Abrelpe).

Projetos inovadores

O programa jornal√≠stico mostra hist√≥rias de empreendedores que investiram em projetos inovadores. A empresa baiana Repar√ī, criada por Luciana Luz e seu filho Lucas, desenvolve uma tecnologia que transforma isopor em massa model√°vel. A proposta √© criar um produto empregado para fazer reparos variados em materiais de diversas naturezas como metais e madeiras.

Para Juliana Borges, analista de competitividade do Servi√ßo Brasileiro de Apoio √†s Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), a Repar√ī √© um exemplo de pequena empresa que encontrou uma solu√ß√£o inovadora para um desafio complexo. “A Repar√ī, hoje, est√° crescendo, tem buscado investidores, e eu acho que √© uma das empresas que a gente vai se orgulhar muito de ser uma iniciativa brasileira na solu√ß√£o de problemas complexos, como a quest√£o do isopor”, afirma.

J√° Marcos Poiato, dono da empresa Poiato Recicla, conta que se interessou pela tecnologia h√° mais de dez anos e implementou uma usina de reciclagem de bitucas em Votorantim, no estado de S√£o Paulo. Atualmente, a usina atende a mais de 700 clientes ao recolher as pontas de cigarro, reciclar e fornecer a massa celul√≥sica para aplica√ß√Ķes variadas, como a produ√ß√£o de velas e papel reciclado.

Fernanda Romero, gerente de Pol√≠ticas para Qu√≠micos do Programa das Na√ß√Ķes Unidas para o Meio Ambiente, ressalta a import√Ęncia financeira da reciclagem de res√≠duos s√≥lidos. “Uma vez adotadas as pr√°ticas de re√ļso, recupera√ß√£o, reparo, remanufatura,¬†a gente pode gerar lucro l√≠quido anual de US$ 100 bilh√Ķes”, explica.

Compostagem e reaproveitamento

A compostagem √© abordada no programa da TV Brasil. O Caminhos da Reportagem indica o m√©todo de coleta e a separa√ß√£o de res√≠duos org√Ęnicos. O que √© lixo para alguns serve mat√©ria-prima para outros. O empres√°rio Micael Cobelo, por exemplo, fez da compostagem de lixo org√Ęnico o seu ganha-p√£o com a coleta em resid√™ncias.

“A gente disponibiliza um kit para fazer a separa√ß√£o dos res√≠duos, que √© um baldinho de 16 litros, mais uma sacola compost√°vel, al√©m de serragem para evitar o mau cheiro. E fazemos a coleta uma vez por semana. Depois da coleta, a gente leva para o nosso p√°tio de compostagem, onde usa o m√©todo termof√≠lico (que utiliza temperaturas elevadas para decomposi√ß√£o dos materiais). Ent√£o, a gente consegue compostar tanto cozidos, carnes e c√≠tricos, que s√£o mat√©rias org√Ęnicas n√£o compostadas nos minhoc√°rios dom√©sticos”, explica Micael.

A chefe da Unidade de Medi√ß√£o e Monitoramento do Servi√ßo de Limpeza Urbana do Distrito Federal (SLU), Andr√©a Almeida, diz que, de todo o quantitativo de res√≠duos s√≥lidos gerados, aproximadamente 65% s√£o res√≠duos org√Ęnicos, 25%, recicl√°veis (pl√°stico, papel, vidro e alum√≠nio) e 10%, rejeitos (papel higi√™nico, absorventes, fraldas e m√°scaras de prote√ß√£o, entre outros).

A especialista ressalta a import√Ęncia do reaproveitamento dos res√≠duos para o meio ambiente e a vida √ļtil dos aterros sanit√°rios. Para ela, quanto menos lixo for enviado para os aterros, mais tempo eles duram, reduzindo a necessidade de cria√ß√£o de novos aterros. ¬†¬†

“N√≥s recebemos cerca de 500 toneladas por dia chegando no aterro sanit√°rio. E esse material, se fosse segregado na fonte, na casa das pessoas, n√£o chegaria ao aterro sanit√°rio. Interessante dizer tamb√©m que, por mais que se fa√ßa a separa√ß√£o, se for feita de modo incorreto, misturar o org√Ęnico com o seletivo, perde-se esse material. Ele vai chegar l√° nos nossos catadores, no nosso centro de triagem, vai simplesmente passar pela esteira¬†e vai como rejeito para o aterro sanit√°rio. Ou seja, ele s√≥ passeou”, ressalta Andr√©a.

Economia circular e eletroeletr√īnicos

A produ√ß√£o da TV Brasil tamb√©m destaca a import√Ęncia da reciclagem de eletroeletr√īnicos. Para mostrar os benef√≠cios para o meio ambiente, o programa acompanha um dos neg√≥cios da Programando o Futuro, no Distrito Federal.

Coordenador financeiro da organiza√ß√£o da sociedade civil criada h√° 23 anos, inicialmente como um projeto de inclus√£o digital para jovens, F√°bio Oliveira Paiva fala sobre a iniciativa no Caminhos da Reportagem. O neg√≥cio, que era uma ideia para capacitar as pessoas, tornou-se um projeto dedicado √† destina√ß√£o correta do eletroeletr√īnico.

“No desenvolvimento do processo, come√ßamos a receber doa√ß√Ķes de empresas, de √≥rg√£os p√ļblicos, e boa parte das coisas n√£o tinha condi√ß√Ķes de funcionamento. Ent√£o, em vez de resolver um problema, ajudar as pessoas, come√ßamos a criar um problema para n√≥s mesmos. O que fazer com esse tanto de equipamento que n√£o tem serventia? N√£o pode jogar no lixo, n√£o pode jogar na rua, o lixeiro n√£o vai levar. E come√ßou a acumular… Foi quando verificamos que parte desses equipamentos, que n√£o t√™m condi√ß√Ķes de uso, t√™m um valor mensurado dentro deles, que pode ser revertido para as atividades da entidade”, enfatiza F√°bio.

Hoje, a empresa desmonta os equipamentos que n√£o t√™m condi√ß√Ķes de uso, separa as partes de acordo com o material, e d√° a destina√ß√£o correta. Os pl√°sticos, por exemplo, s√£o triturados e vendidos para empresas que fazem a reciclagem desse tipo de material ‚Äď servi√ßo fundamental para estender a vida √ļtil do pl√°stico, evitando a retirada de mais petr√≥leo da natureza.

A atra√ß√£o da TV Brasil, que vai ao ar √†s 22h deste domingo, destaca como a economia circular une o desenvolvimento econ√īmico √† sustentabilidade. A din√Ęmica ocorre por meio de novos modelos de neg√≥cios e da otimiza√ß√£o nos processos de fabrica√ß√£o com menor depend√™ncia de mat√©ria-prima virgem, priorizando insumos mais dur√°veis, recicl√°veis e renov√°veis.