Política

Caminhos da Reportagem lembra os 40 anos da campanha Diretas J√°!

Caminhos da Reportagem lembra os 40 anos da campanha Diretas J√°!


AGÊNCIA BRASIL

O programa Caminhos da Reportagem, que a TV Brasil¬†exibe neste domingo (28), √†s 22h, celebra os 40 anos de uma das maiores campanhas c√≠vicas que o Brasil j√° viveu: as Diretas J√°!. A edi√ß√£o in√©dita¬†revela hist√≥rias de famosos e an√īnimos, em meio √† abertura pol√≠tica, e suas reflex√Ķes sobre a consolida√ß√£o da Nova Rep√ļblica.

O ano de 1984 assistiu √†s maiores manifesta√ß√Ķes populares no Brasil desde o per√≠odo anterior ao AI-5, o ato institucional que fechou o Congresso e aumentou a repress√£o da ditadura civil-militar (1964-1985). O √°pice da campanha Diretas J√°!, que pedia a volta das elei√ß√Ķes diretas para presidente da Rep√ļblica, foi em abril, quando milhares de brasileiros foram aos com√≠cios da Candel√°ria, no Rio, e do Anhangaba√ļ, em S√£o Paulo.

Naquele ano, o pa√≠s j√° amargava duas d√©cadas de ditadura civil-militar e passava pela abertura ‚Äúlenta, gradual e segura‚ÄĚ iniciada no governo Geisel (1974-1979), com a revoga√ß√£o do AI-5, em 1978, e a anistia aos presos e perseguidos pol√≠ticos em 1979, no governo Figueiredo (1979-1985).

Apesar dos acenos, a redemocratiza√ß√£o parecia distante. A insatisfa√ß√£o popular era agravada por uma infla√ß√£o que fechou 1983 na casa dos 160% ao ano, corroendo o poder de compra do cruzeiro, moeda da √©poca, e enterrando de vez um dos pilares de sustenta√ß√£o do regime, o ‚Äúmilagre econ√īmico‚ÄĚ dos anos 1970.

O primeiro ato de rua pedindo elei√ß√Ķes diretas foi no rec√©m-emancipado munic√≠pio de Abreu e Lima, em Pernambuco. Na √©poca com cerca de 50 mil moradores, a cidade viu os ent√£o vereadores Reginaldo Silva e Severino Farias subirem em um caminh√£o e falarem para cerca de 100 pessoas. O medo da repress√£o ainda estava presente, e o com√≠cio tinha at√© rota de fuga, como conta Reginaldo: ‚ÄúTodo mundo tinha medo de ser preso, inclusive a gente, n√©? A gente tinha consci√™ncia do que podia acontecer. A gente pode ser preso, chegar l√° em Recife, e at√© que o advogado chegue pra soltar a gente, a gente j√° levou um bocado de porrada.‚ÄĚ

As manifesta√ß√Ķes foram ganhando for√ßa, e a pauta das diretas ganhou aliados. Al√©m de l√≠deres de diferentes partidos pol√≠ticos, o movimento aglutinou artistas, intelectuais e esportistas.

Walter Casagrande Jr, ent√£o um jovem atleta do Corinthians, vivia desde 1982 a experi√™ncia de autogest√£o entre atletas e comiss√£o t√©cnica, que ganhara o nome de Democracia Corinthiana. Junto de S√≥crates, Vladimir e outros expoentes do movimento, Casagrande buscava expressar sua posi√ß√£o pol√≠tica, e uma das formas de fazer isso era vestindo a cor das diretas: ‚ÄúVoc√™ n√£o pode colocar amarelo no Corinthians, mas a gente colocava joelheira, tornozeleira ou uma camisa na hora da entrevista, ou quando a gente sa√≠a junto. Estava sempre com camisa amarela ou uma fitinha amarela ou alguma coisa assim.‚ÄĚ

Outra personalidade que aderiu √† campanha das diretas foi a atriz Luc√©lia Santos. Famosa pelo papel na novela A escrava Isaura, Luc√©lia tamb√©m era bem conhecida pelo Servi√ßo Nacional de Informa√ß√Ķes (SNI), √≥rg√£o da ditadura que vigiava sua atividade de militante junto √† Anistia Internacional. Para a atriz, o movimento atraiu muita gente que n√£o estava diretamente envolvida com pol√≠tica: ‚ÄúAli foi uma conflu√™ncia de energias positivas, onde a arte, os artistas, eram parte, efetivamente. Eu, por acaso, tinha partido, mas eu n√£o sei se Christiane [Torloni], Mait√™ [Proen√ßa], a pr√≥pria Faf√° [de Bel√©m], tinham partido. Elas n√£o eram ativistas, mas eram artistas que se comprometeram com a hist√≥ria do pa√≠s.‚ÄĚ

O forte apelo popular e o empenho incans√°vel do deputado Ulysses Guimar√£es (PMDB-SP) √† Emenda Constitucional 05/1983, apelidada Emenda Dante de Oliveira ‚Äď por causa do deputado que a prop√īs ‚Äď n√£o foram suficientes para sensibilizar os congressistas e obter o n√ļmero necess√°rio de votos na C√Ęmara.

Apesar da derrota, a campanha das Diretas J√°! abriu caminho para o fim dos governos militares com a elei√ß√£o (indireta) da chapa Tancredo Neves-Jos√© Sarney, em 1985. Tamb√©m se tornou um marco que precedeu outras manifesta√ß√Ķes de massa no pa√≠s.

O programa

Produção jornalística semanal da TV Brasil, o Caminhos da Reportagem leva o telespectador para uma viagem pelo país e pelo mundo atrás de grandes histórias, com uma visão diferente, instigante e complexa de cada um dos assuntos escolhidos.

No ar h√° mais de uma d√©cada, o Caminhos da Reportagem √© uma das atra√ß√Ķes jornal√≠sticas mais premiadas n√£o s√≥ do canal, mas tamb√©m da televis√£o brasileira. Para contar grandes hist√≥rias, os profissionais investigam assuntos variados e revelam os aspectos mais relevantes de cada assunto.

Sa√ļde, economia, comportamento, educa√ß√£o, meio ambiente, seguran√ßa, presta√ß√£o de servi√ßos, cultura e outros tantos temas s√£o abordados de maneira √ļnica, levando conte√ļdo de interesse para a sociedade pela telinha da emissora p√ļblica.

Quest√Ķes atuais e pol√™micas s√£o tratadas com profundidade e seriedade pela equipe de profissionais do canal. O trabalho minucioso e bem executado √© reconhecido e recebeu pr√™mios relevantes no meio jornal√≠stico.

Exibido aos domingos, √†s 22h, o Caminhos da Reportagem disponibiliza as mat√©rias especiais em seu site e no YouTube da emissora p√ļblica. As edi√ß√Ķes anteriores tamb√©m est√£o no aplicativo TV Brasil Play, dispon√≠vel nas vers√Ķes Android e iOS, e neste site.