Economia

Centro desenvolve modelo de negócios com base na biodiversidade

Centro desenvolve modelo de negócios com base na biodiversidade


Da Redação com Agência Brasil

Pesquisas realizadas no Centro de Bioneg√≥cios da Amaz√īnia (CBA), em Manaus, apontam novos modelos de neg√≥cio, a partir de solu√ß√Ķes inovadoras e sustent√°veis com base na biodoversidade encontrada na maior floresta tropical do mundo. S√£o materiais e tecnologias que possibilitam a transi√ß√£o para uma economia verde, associada ao desenvolvimento de comunidades tradicionais e povos origin√°rios da regi√£o.

Em maio de 2023, a letra B da sigla CBA deixou de significar biotecnologia e passou a ser bioneg√≥cios, para refor√ßar a ideia de que o centro vai al√©m de ser um lugar de cria√ß√£o de produtos e solu√ß√Ķes e tamb√©m de oportunidades para um mercado em plena expans√£o.¬†

Um decreto presidencial promoveu a mudan√ßa e o reenquadramento jur√≠dico que desvinculou a institui√ß√£o da Superintend√™ncia da Zona Franca de Manaus (Suframa), passando a ser gerida por organiza√ß√£o social, nesse caso, a Funda√ß√£o Universitas de Estudos Amaz√īnicos (Fuea).

Manaus, 09/07/2024 O secret√°rio de Economia Verde, Descarboniza√ß√£o e Bioind√ļstria do MDIC, Rodrigo Rollemberg, acompanhado do diretor de opera√ß√Ķes do Centro de Bioneg√≥cios da Amazonia, Caio Perecin, demonstram produtos do Laborat√≥rio Quimica de Produtos Naturais do CBA.  Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Ag√™ncia Brasil
Manaus, 09/07/2024 O secret√°rio de Economia Verde, Descarboniza√ß√£o e Bioind√ļstria do MDIC, Rodrigo Rollemberg, acompanhado do diretor de opera√ß√Ķes do Centro de Bioneg√≥cios da Amazonia, Caio Perecin, demonstram produtos do Laborat√≥rio Quimica de Produtos Naturais do CBA.  Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Ag√™ncia Brasil

Secret√°rio de Economia Verde, Descarboniza√ß√£o e Bioind√ļstria, Rodrigo Rollemberg, no Laborat√≥rio de Qu√≠mica de Produtos Naturais do CBA – Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Ag√™ncia Brasil

Segundo o secret√°rio de Economia Verde, Descarboniza√ß√£o e Bioind√ļstria do Minist√©rio do Desenvolvimento, Ind√ļstria, Com√©rcio e Servi√ßos (MDIC), Rodrigo Rollemberg, a autonomia conquistada no ano passado abriu possibilidades para tornar as pesquisas desenvolvidas com recursos naturais da Amaz√īnia verdadeiros modelos de neg√≥cios.¬†

‚ÄúHoje um dos grandes desafios e uma das miss√Ķes da pol√≠tica industrial brasileira √© trocar insumos que s√£o oriundos da ind√ļstria petroqu√≠mica por biomassa brasileira‚ÄĚ, refor√ßa.

Rollemberg disse que os projetos de tecnologia sustent√°vel desenvolvidos j√° proporcionam, por exemplo, a comercializa√ß√£o, em escala, de pl√°stico produzido a partir do ouri√ßo da castanha do Brasil em substitui√ß√£o ao material de origem petroqu√≠mica na ind√ļstria automobil√≠stica.¬†

Outros projetos promissores, segundo Rollemberg, est√£o em processo de negocia√ß√£o com a ind√ļstria aliment√≠cia, farmac√™utica, de inform√°tica, o mercado energ√©tico e de insumos para a agricultura.

‚ÄúA ideia √© que a gente n√£o desenvolva somente pesquisas aqui, mas que sejamos tamb√©m um hub que vai promover uma proposta de inova√ß√£o aberta, com espa√ßos para incuba√ß√£o de escrit√≥rios, laborat√≥rios de startups, e promover um ambiente que discuta neg√≥cios‚ÄĚ, explica o diretor de opera√ß√Ķes do CBA, Caio Perecin.

Agregar valor

Uma preocupação com os produtos da biodiversidade é agregar valor desde o início da cadeia até o produto final, melhorando a qualidade inicial do recurso e levando capacitação profissional para cada etapa de produção. Um exemplo de pesquisa desenvolvida no CBA foi para a verticalização da cadeia do açaí, que usualmente sai da região com preços baixos e é beneficiado e comercializado em outros países por valores que chegam a 10 vezes mais do que o inicial.

Para beneficiar a cadeia, foram feitas pesquisas que identificaram a capacidade de beneficiamento para a ind√ļstria farmac√™utica e nutricional. Segundo o gerente do n√ļcleo de Produtos Naturais da CBA, Edson Pablo Silva, algumas pesquisas j√° est√£o em fase de estudo cl√≠nico, com empresas interessadas em comercializar.¬†

Manaus, 09/07/2024 Matérias primas e produtos produzidos pelo Centro de Bionegócios da Amazonia, CBA.  Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil
Manaus, 09/07/2024 Matérias primas e produtos produzidos pelo Centro de Bionegócios da Amazonia, CBA.  Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil

Matérias primas e produtos produzidos pelo Centro de Bionegócios da Amazonia РFoto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil

‚ÄúN√≥s desenvolvemos uma bebida nutrac√™utica do a√ßa√≠, rica em compostos fen√≥licos [com poder antioxidante]. Nosso intuito foi justamente desenvolver esse produto para trabalhar em cima de algumas doen√ßas negligenci√°veis, aterosclerose, doen√ßas hep√°ticas, cardiovasculares e obesidade.‚ÄĚ, explica.

No processo de desenvolvimento dos produtos h√° ainda uma preocupa√ß√£o com o beneficiamento de todos os subprodutos resultantes do processo. ‚ÄúDos subprodutos dessa bebida, n√≥s desenvolvemos produtos de panifica√ß√£o, que podem ser inseridos na merenda escolar. Com isso chegamos a um p√£o integral com menores percentuais de trigo e maior valor nutricional. Como nosso trigo √© importado, com isso a gente diminui tamb√©m o impacto do d√≥lar sobre esses produtos‚ÄĚ, explica Edson.

Manaus, 09/07/2024 O Gerente do N√ļcleo de Produtos Naturais do Centro de Bioneg√≥cios da Amaz√īnia, CBA, Edson Silva Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Ag√™ncia Brasil
Manaus, 09/07/2024 O Gerente do N√ļcleo de Produtos Naturais do Centro de Bioneg√≥cios da Amaz√īnia, CBA, Edson Silva Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Ag√™ncia Brasil

Gerente do N√ļcleo de Produtos Naturais do Centro de Bioneg√≥cios da Amaz√īnia, Edson Silva – Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Ag√™ncia Brasil

Atualmente, o espa√ßo j√° mant√©m em sua estrutura 26 laborat√≥rios de pesquisa aplicada distribu√≠dos em seis n√ļcleos de opera√ß√£o para produtos naturais, materiais e energia, tecnologia vegetal, bioinsumos, tecnologia industrial e a central anal√≠tica de apoio √†s empresas. Tamb√©m h√° uma estrutura de hotelaria com 27 apartamentos, que dever√£o ser reativados para hospedagem corporativa.

De acordo com Perecin, al√©m de um contrato de gest√£o com o MDIC para repasse financeiro, que garante a manuten√ß√£o e moderniza√ß√£o do pr√©dio, de R$ 12 milh√Ķes ao ano, o CBA tem como meta a capta√ß√£o de R$ 120 milh√Ķes, em 4 anos, por meio da contrata√ß√£o e desenvolvimento de projetos inovadores e de servi√ßos.

‚ÄúA ideia √© direcionar 30% dessa capta√ß√£o para investimento no apoio √†s cadeias produtivas das comunidades e povos tradicionais‚ÄĚ, defende Perecin.



Fonte: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil