Economia

Cooperativismo inclui pequenos produtores no mercado, diz ex-ministro

Cooperativismo inclui pequenos produtores no mercado, diz ex-ministro


AGÊNCIA BRASIL ©

O cooperativismo rural foi um dos temas centrais dos debates do primeiro Encontro de L√≠deres Rurais que ocorre esta semana na Costa Rica, promovido pelo Instituto Interamericano de Coopera√ß√£o para a Agricultura (IICA). ‚Äú√Č uma solu√ß√£o extraordin√°ria para incluir no mercado produtores pequenos e at√© m√©dios que, individualmente, seriam expulsos e exclu√≠dos do mercado‚ÄĚ, defendeu o coordenador do Centro de Agroneg√≥cios da Funda√ß√£o Get√ļlio Vargas (FGV) e ex-ministro da Agricultura, Pecu√°ria e Abastecimento do Brasil, Roberto Rodrigues, que participou do encontro de forma remota.

No Brasil, de acordo com a Organização das Cooperativas Brasileiras, Sistema OCB, 54% da produção agrícola vêm de cooperativas. O país é considerado um modelo nesse quesito. Isso não significa, no entanto, que todos os problemas estejam resolvidos e que não haja desafios tanto de produção e organização quanto burocráticos. A conversa com Rodrigues foi uma das mais aguardadas, pois em toda a América, de acordo com os líderes que participam do encontro, sobretudo para os pequenos produtores, as cooperativas apresentam-se como forma de organização.

Rodrigues define o cooperativismo como ‚Äúdoutrina que visa corrigir o social por meio¬†do econ√īmico‚ÄĚ. A cooperativa rural √© associa√ß√£o de produtores para que possam, juntos, comercializar os produtos e ter acesso a servi√ßos e mesmo a m√°quinas que, sozinhos, n√£o conseguiriam. ‚ÄúA cooperativa oferece ao cooperado condi√ß√Ķes que individualmente n√£o teria condi√ß√Ķes de resolver‚ÄĚ, diz Rodrigues. ‚ÄúAs cooperativas agregam pequenos, transformando-os, em conjunto, em produtor que compete com grandes‚ÄĚ, acrescenta.

As situa√ß√Ķes s√£o diferentes nos pa√≠ses, mas um ponto comum √© que o cooperativismo n√£o √© tarefa f√°cil. Para a secret√°ria de Agricultura Familiar de Bet√Ęnia, no Piau√≠, Francisca Neri, uma das l√≠deres que representam o Brasil no encontro, o cooperativismo √© a solu√ß√£o para a regi√£o onde vive, mas √© preciso que os mais jovens aprendam e tamb√©m se entusiasmem sobre a forma de organiza√ß√£o. ‚ÄúComo n√≥s vamos fazer as pessoas entenderem que o associativismo e o cooperativismo s√£o os neg√≥cios do futuro, que est√£o acontecendo no presente e que a gente enquanto agricultor n√£o pode ficar de fora?‚ÄĚ, questiona. Ela defende que o cooperativismo seja ensinado nas escolas.

Em Honduras, segundo a l√≠der Eodora M√©ndez, o desafio √© que os produtores permane√ßam na cooperativa. ‚ÄúMuita gente pensou que cooperativismo era organizar-se e receber benef√≠cios. √Č mais que isso, √© trabalhar em conjunto, aglutinando a produ√ß√£o e poder comercializar. Muita gente se retirou e somos poucos os que estamos em cooperativa. Muita gente jogou a toalha, mas estamos lutando sempre para que as cooperativas se mantenham‚ÄĚ, diz.

San José - Costa Rica, 18/04/2024 - Cooperativismo inclui pequenos produtores no mercado, defende ex-ministro. Fotos gerais da plenária. Foto: IICA/Divulgação
San José - Costa Rica, 18/04/2024 - Cooperativismo inclui pequenos produtores no mercado, defende ex-ministro. Fotos gerais da plenária. Foto: IICA/Divulgação

San Jos√© –¬†Cooperativismo inclui pequenos produtores no mercado, defende ex-ministro¬†– Foto¬†IICA/Divulga√ß√£o

Eodora pertence ao povo origin√°rio Lenca e vem de uma fam√≠lia que se dedica ao cultivo de gr√£os e hortali√ßas. Foi presidente da Empresa Campesina Agroindustrial de Reforma Agr√°ria de Intibuc√° (Ecarai), uma organiza√ß√£o rural com vis√£o empresarial que representa comunidades de uma das zonas do Departamento Intibuc√°. Seu trabalho impacta 325 pequenos agricultores. ‚ÄúQuando nos organizamos, temos alternativas de produ√ß√£o, podemos vender a pre√ßos melhores e √© preciso que isso funcione para que sigamos ativos‚ÄĚ, defende.

A l√≠der brasileira Simone Silotti, defende que sejam criadas formas de facilitar a participa√ß√£o dos pr√≥prios associados e a articula√ß√£o entre cooperativas. Ela sugere a cria√ß√£o de uma plataforma ‚Äúpara dar transpar√™ncia √†¬†cooperativa, acompanhar as contas a pagar e a receber sem ter que esperar a presta√ß√£o de contas. Podemos ter outras abas nessa plataforma para levar conhecimento e forma√ß√£o, inclusive para l√≠deres de cooperativas que quase sempre s√£o pequenos produtores‚ÄĚ, afirma.

Silotti √© uma pequena produtora rural, de Quatinga, Mogi das Cruzes, S√£o Paulo, e √© criadora do Fa√ßa um Bem Incr√≠vel, projeto que come√ßou em 2020, em meio √† pandemia, que busca reduzir o desperd√≠cio rural, direcionando os alimentos que seriam descartados para pessoas em situa√ß√£o de vulnerabilidade. O projeto acabou transformando-se em cooperativa. Ela aponta a burocracia como um dos principais desafios e conta que¬†foram mais de dois anos para que conseguissem se formalizar e acessar pol√≠ticas p√ļblicas como o Programa Nacional de Alimenta√ß√£o Escolar (Pnae) do Minist√©rio da Educa√ß√£o.

San José - Costa Rica, 18/04/2024 - Cooperativismo inclui pequenos produtores no mercado, defende ex-ministro. Fotos gerais da plenária. Foto: IICA/Divulgação
San José - Costa Rica, 18/04/2024 - Cooperativismo inclui pequenos produtores no mercado, defende ex-ministro. Fotos gerais da plenária. Foto: IICA/Divulgação

San José РCosta Rica РLíderes rurais discutem cooperativismo РFoto IICA/Divulgação

Roberto Rodrigues apresentou aos l√≠deres as condi√ß√Ķes para que sejam formadas as cooperativas. Uma delas, segundo ele, √© que √© necess√°rio que as elas¬†surjam do interesse dos pr√≥prios produtores, por isso tamb√©m √© preciso que a sociedade conhe√ßa e saiba o que √© cooperativismo. ‚ÄúTem que vir de baixo para cima, como desejo do povo.¬†Toda vez que governos tentaram impor, quando terminou o governo terminou o cooperativismo‚ÄĚ, disse. Al√©m disso, acrescentou,¬†cooperativas s√£o como empresas, precisam ser vi√°veis e √© preciso comprometimento dos associados.

Apesar das dificuldades apresentadas, Rodrigues incentivou os participantes: ‚ÄúTemos que lutar todos os dias. Eu dava aula e diziam que eu estava repetindo sempre a mesma coisa. Eu dizia:¬†olha, os padres, nas igrejas, h√° 2 mil anos¬†falam a mesma coisa. √Č preciso repetir, repetir‚ÄĚ.

O primeiro Encontro de L√≠deres Rurais promovido pelo IICA na Costa Rica re√ļne 42 produtores rurais presencialmente e remotamente, que foram reconhecidos pela organiza√ß√£o como l√≠deres rurais por causa¬†do trabalho que desenvolvem em suas regi√Ķes. Eles representam praticamente todos os pa√≠ses americanos. O encontro ocorre ao longo da semana, promovendo visitas t√©cnicas, consultorias e o interc√Ęmbio de experi√™ncias entre as lideran√ßas.

*A repórter viajou a convite do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA).