Brasil

Cultura Viva é tema do Caminhos da Reportagem desta segunda-feira

Cultura Viva é tema do Caminhos da Reportagem desta segunda-feira


Da Redação com Agência Brasil

A Pol√≠tica Nacional de Cultura Viva completou no s√°bado (6) duas d√©cadas. A concretiza√ß√£o dessa pol√≠tica se deu com os Pontos de Cultura, reconhecidos como grupos que desenvolvem atividades culturais em suas comunidades. O programa ajudou a fortalecer essas pr√°ticas, sendo considerada a primeira pol√≠tica de base comunit√°ria do Sistema Nacional da Cultura. O Caminhos da Reportagem de hoje¬†traz o panorama do Cultura Viva e mostra como o programa tem sido importante para a cultura nas mais diferentes regi√Ķes.

A edição vai ao ar nesta segunda-feira (8), às 23h, na TV Brasil, e fica disponível também no app TV Brasil Play.

São 5.166 Pontos de Cultura espalhados pelo Brasil. Somente na Grande São Paulo são 340. Um deles é o São Mateus em Movimento, no extremo leste da capital paulista. O bairro de São Mateus já foi considerado um dos mais violentos da cidade e o projeto busca trazer uma alternativa de cultura para as crianças e adolescentes. O Ponto de Cultura oferece oficinas de instrumentos musicais e de graffiti, aulas de reforço escolar e outras atividades.

Nascido em 1986, o grupo de rap De Menos Crime √© uma das refer√™ncias da regi√£o e tem no Ponto de Cultura um apoio para manter seu trabalho. ‚ÄúO S√£o Mateus em Movimento serve de estrutura para a gente estar planejando o que fazer no futuro e dando assist√™ncia para os manos que v√™m de fora. Atrav√©s da cultura a gente coloca a consci√™ncia e faz a uni√£o da comunidade‚ÄĚ, diz o rapper Mago Abelha.

Brasília (DF) 08/07/2024 - Experiência do Ponto de Cultura Aquarela, em Campinas (SP), ajudou a servir de base para o programa Cultura Viva
Frame TV Brasil
Brasília (DF) 08/07/2024 - Experiência do Ponto de Cultura Aquarela, em Campinas (SP), ajudou a servir de base para o programa Cultura Viva
Frame TV Brasil

Bras√≠lia¬†– Experi√™ncia do Ponto de Cultura Aquarela, em Campinas (SP), ajudou a servir de base para o programa Cultura Viva –¬†Frame TV Brasil

Em Campinas, no interior paulista, o Ponto de Cultura Aquarela √© outro local de encontro e troca de saberes. O coordenador do local √© Marcos Brytto, que explica que tudo come√ßou com sua m√£e, Maria de Oliveira, que fundou uma cooperativa de costureiras e deu in√≠cio a aulas de alfabetiza√ß√£o no local. ‚ÄúA gente tinha duas turmas de alfabetiza√ß√£o, com quase 40 pessoas frequentando a casa diariamente, e 15 costureiras fazendo uma cooperativa de costuras aqui‚ÄĚ, conta.

Fundada h√° mais de 30 anos como Casa de Cultura, com apoio da prefeitura do munic√≠pio, a entidade foi uma das experi√™ncias que ajudou a servir de base para a formula√ß√£o do Programa Cultura Viva. Hoje o Ponto de Cultura oferece oficinas de artesanato, feiras solid√°rias, forma√ß√£o para professores e diversas atividades culturais, como conta√ß√£o de hist√≥rias, apresenta√ß√Ķes de teatro e de m√ļsica.

Do interior de São Paulo, a nossa equipe de reportagem seguiu para o Ceará a fim de mostrar a força dos Pontos de Cultura pelo interior do país. A região do Cariri, no Ceará, é um celeiro de cultura popular. No Crato, há quase sete décadas o Mestre Aldenir é brincante do Reisado, manifestação popular que celebra o nascimento do menino Jesus e a chegada dos reis magos, na tradição católica.

A filha de Aldenir, Maria Vera da Silva, foi educada na cultura desde crian√ßa. ‚ÄúEu estava com dez anos de idade, ele me trajava de rainha, a√≠ n√≥s √≠amos brincar no Natal, dia de ano, Dia de Reis. Desde esse tempo que eu peguei esse gosto, at√© hoje, estou com 66 anos e estou com a energia boa para brincar at√© mais longe, se Deus quiser‚ÄĚ, conta ela. A festa est√° no sangue da fam√≠lia, e j√° chega aos bisnetos de Mestre Aldenir, que aos 90 anos ensina a eles e a outras crian√ßas a sua arte.

A forma de olhar para a cria√ß√£o cultural nos territ√≥rios foi o diferencial para o Cultura Viva. ‚ÄúToda pol√≠tica p√ļblica √© sempre pensada de cima para baixo, a partir do crit√©rio da falta, da car√™ncia. Com o Cultura Viva e o Ponto de Cultura √© o oposto disso. A gente trabalha a partir do crit√©rio da pot√™ncia, da capacidade de transforma√ß√£o que existe nas comunidades‚ÄĚ, diz C√©lio Turino, que coordenou a cria√ß√£o do programa, a partir de 2004.

A ministra da Cultura, Margareth Menezes, ressalta o legado do programa: ‚ÄúO Cultura Viva d√° a possibilidade de solidificar as a√ß√Ķes culturais de grupos, tanto tradicionais como as novas manifesta√ß√Ķes culturais, como a cultura urbana, o hip-hop. Essa √© a fun√ß√£o do minist√©rio neste momento, √© colaborar para que todos sejam acolhidos dentro das pol√≠ticas p√ļblicas.‚ÄĚ



Fonte: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil