Economia

Lula lamenta Eletrobras privada e cobra Vale para reparar tragédias

Lula lamenta Eletrobras privada e cobra Vale para reparar tragédias


Da Redação com Agência Brasil

Durante cerim√īnia realizada nesta quarta-feira (20) para a¬†posse de Magda Chambriard¬†na presid√™ncia da Petrobras, o presidente Luiz¬†In√°cio Lula da Silva criticou as privatiza√ß√Ķes de grandes empresas do pa√≠s. Ele citou diretamente a Eletrobras e a Vale. De acordo com o presidente, as duas poderiam estar atuando ao lado da Petrobras como indutoras da economia brasileira.

A Eletrobras foi privatizada em 2022 pelo governo de Jair Bolsonaro. Na ocasi√£o, foram emitidas novas a√ß√Ķes, fazendo a participa√ß√£o da Uni√£o ser reduzida para menos de 50%. J√° a Vale foi vendida em 1997, quando o governo liderado por Fernando Henrique Cardoso negociou a√ß√Ķes com um grupo de empresas privadas e fundos de pens√£o.

“A gente poderia estar melhor. A gente poderia ter aqui do nosso lado a Eletrobras, que era a maior empresa de energia do nosso pa√≠s. A gente poderia ter do nosso lado a Vale que foi privatizada e rifada para diferentes fundos. E n√£o tem um dono para voc√™ conversar”, disse.

Lula criticou o comportamento da mineradora nos processos de repara√ß√£o das trag√©dias que ela protagonizou nos √ļltimos anos em Minas Gerais. Em 2015, uma barragem da Samarco –¬†joint-venture¬†da Vale e da BHP Billiton – se rompeu em Mariana deixando 19 mortos e causando danos em munic√≠pios por toda a bacia do Rio Doce. J√° em 2019, a cidade de Brumadinho testemunhou o maior acidente trabalhista do pa√≠s. A ruptura de uma barragem da Vale, al√©m dos impactos ambientais, custou 272 vidas, a maioria de¬†empregados da pr√≥pria mineradora ou de empresas terceirizadas contratadas.

O tema foi abordado pelo presidente em meio √†s tratativas para¬†repactuar o acordo de repara√ß√£o¬†da trag√©dia ocorrida em 2015. O modelo implementado, envolvendo a cria√ß√£o da Funda√ß√£o Renova para gerir as medidas reparat√≥rias, √© considerado mal sucedido n√£o apenas pelo governo federal, como tamb√©m pelos governos mineiro e capixaba, pelo Minist√©rio P√ļblico e por entidades que representam os atingidos. Passados mais de oito anos, tramitam no Judici√°rio brasileiro mais de 85 mil processos entre a√ß√Ķes civis p√ļblicas, a√ß√Ķes coletivas e individuais.

Em busca de uma solu√ß√£o para esse passivo judicial, as negocia√ß√Ķes para uma repactua√ß√£o do acordo se arrastam h√° mais de dois anos. Um novo acordo tem esbarrado nos valores ofertados pelas mineradoras, considerados at√© o momento insuficientes. A √ļltima proposta que elas apresentaram, em an√°lise pelas demais partes, envolve a transfer√™ncia de R$ 82 bilh√Ķes aos governos em per√≠odo de 20 anos, al√©m de medidas a¬†serem custeadas diretamente pelas mineradoras. A Uni√£o e os estados de Minas Gerais e do Esp√≠rito Santo, no entanto, pediram em sua √ļltima manifesta√ß√£o no processo o pagamento de R$ 109 bilh√Ķes, com dep√≥sitos ao longo de 12 anos.

“Quando eu digo que n√£o h√° dono para conversar √© porque, desde os desastres das barragens de Mariana e de Brumadinho, n√£o foi paga a indeniza√ß√£o daquele povo. Eles est√£o esperando casas e o ressarcimento do estrago. Uma empresa boa e grande precisa ter algu√©m respons√°vel para que as coisas possam funcionar corretamente. Minha m√£e dizia que cachorro com muito dono morre de fome porque todo mundo pensa que o outro deu comida e no final ningu√©m d√° comida pra ele. Ent√£o uma empresa onde ningu√©m manda, muitas vezes, n√£o cumpre aquele papel social que √© importante cumprir”, disse Lula.

Procurada pela¬†Ag√™ncia Brasil, a Vale informou que n√£o far√° coment√°rios sobre a manifesta√ß√£o do presidente. De acordo com dados da mineradora, R$ 37 bilh√Ķes foram destinados para a√ß√Ķes de repara√ß√£o e compensa√ß√£o relacionadas √† trag√©dia ocorrida em Mariana. Desse valor, R$ 14,29 bilh√Ķes teriam sido voltados para indeniza√ß√Ķes e R$ 2,82 bilh√Ķes para aux√≠lios financeiros emergenciais. Com rela√ß√£o √† trag√©dia em Brumadinho, a Vale alega que, desde 2019, 16.394 atingidos pela fecharam acordos de indeniza√ß√£o c√≠veis e trabalhistas, gerando pagamentos que somam R$ 3,7 bilh√Ķes.



Fonte: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil